quinta-feira, 11 de junho de 2009

Voo 447: PF e IML concluem primeira fase da identificação de corpos

A Polícia Federal e o Instituto Médico Legal concluíram em Fernando de Noronha, nesta quarta-feira (10), a primeira fase da identificação dos corpos das vítimas do voo 447 da Air France, que caiu no dia 31 de maio.

O Airbus da Air France transportava 228 pessoas de 32 nacionalidades, entre passageiros e tripulantes. O voo, de número 447, deixou o Rio de Janeiro no dia 31 de maio às 19h30 (horário de Brasília) e fez o último contato de voz às 22h33. Às 22h48, o avião saiu da cobertura do radar de Fernando de Noronha.

De acordo com nota divulgada pela PF, os 16 corpos que foram resgatados primeiro passaram por esse trabalho inicial em Fernando de Noronha. Os corpos agora seguem para o IML do Recife.

Ainda conforme a nota, um perito francês acompanhará o trabalho da perícia no Recife por já existir um inquérito que apura o acidente na França. O objetivo também é evitar que o processo de identificação tenha de ser feito novamente durante essas investigações.

Os outros peritos e especialistas franceses que estão chegando ao Brasil são responsáveis somente pela investigação sobre as causas do acidente, segundo a PF.



Voo 447: Prazo de buscas termina dia 19, mas pode ser estendido
Depois de um limite de recolhimento de corpos, nós retiraremos os navios brasileiros", disse o tenente-brigadeiro Ramon Cardoso durante entrevista na cidade do Recife.

O comando da Aeronáutica responsável pelas buscas aos corpos de vítimas do acidente com o vôo AF 447 disse nesta quarta-feira que o prazo para os trabalhos que são realizados próximos ao local da queda do avião termina no dia 19 de junho, mas pode ser estendido. "Esse trabalho de recolhimento de corpos tem um período para poder ocorrer. Depois de um limite de recolhimento de corpos, nós retiraremos os navios brasileiros", disse o tenente-brigadeiro Ramon Cardoso durante entrevista na cidade do Recife.

"O prazo do dia 19 é um tempo que nós imaginamos que, com as correntes marítimas que estamos enfrentando atualmente, podemos fazer o trabalho de buscas dos corpos. Esse prazo poderá ser estendido, mas pelo menos até o dia 19 ele é garantido", explicou o brigadeiro. De acordo com Cardoso, dois dias antes do fim do prazo serão feitos estudos para se saber se ainda é possível fazer a coleta de corpos. "A cada dia, a probabilidade de coleta de novos corpos fica menor. Até lá, será que haveria possibilidade de encontrar algum corpo? É essa pergunta que vamos fazer", disse o oficial.
Segundo o brigadeiro, as correntes marítimas estão levando os corpos para cada vez mais longe e o planejamento das buscas inclui questões logísticas como combustível das embarcações e aeronaves e mantimentos para a alimentação das tripulações. Hoje, nenhum novo corpo foi encontrado. "Ao longo do dia, as condições meteorológicas ficaram degradadas, o que obrigou a modificar a área de buscas para um local onde não temos maior prioridade", explicou Cardoso. O oficial disse que a instabilidade ocorreu justamente nas águas do Senegal, onde estavam previstos os trabalhos desta quarta-feira. Amanhã, a visibilidade continuará baixa para as aeronaves, porám o mar deve permanecer calmo, o que facilita o trabalho das embarcações.

Nesta quinta-feira, a fragata Bosísio, que transporta os últimos 25 corpos encontrados, deve chegar próximo a Fernando de Noronha por volta das 8h. A tarefa de transporte dos corpos de helicóptero até o arquipélago deve demorar cerca de cinco horas, segundo a Aeronautica. "Fizemos cálculo estimado do tempo para identificação feita nos corpos pelos peritos e esse tempo foi muito maior, o que fará com que modifiquemos o planejamento para os 25 corpos que estão chegando", disse Cardoso.
Para não esperar a perícia inicial dos 25 corpos, a Aeronáutica considera fazer o transporte dos corpos entre Fernando de Noronha e Recife em etapas. É possível que o Hércules C-130 responsável por esse transporte faça diversas viagens entre os dois locais para levar os últimos corpos encontrados ao Instituto de Medicina Legal do Recife. Para melhorar o armazenamento dos corpos na área de buscas, um novo navio, vindo do Haiti, deverá se juntar ao grupo.

A embarcação Desembarque-Doca Rio de Janeiro tem uma câmara frigorífica que pode armazenar até 100 corpos. O recolhimento dos destroços está sendo prioritariamente feito pelas equipes francesas. O navio Mistral e o submarino Émiraude já chegaram à área de buscas. O rebocador Fairmount Expedition, contratado pelo governo da França, recebeu permissão para atracar hoje no porto de Natal, no Rio Grande do Norte, onde irá receber equipamentos norte-americanos. O material é composto por sensores e sonares que serão utilizados na busca do gravador de dados do Airbus e do gravador de voz da cabine do avião, ambos conhecidos como caixas-pretas.

Dois investigadores do Bureau de Pesquisas e Análises para a Segurança da Aviação Civil francês, um engenheiro de estrutura da Airbus e um funionário que desenvolve a mesma função pela Airfrance devem chegar ao Recife em 14 de junho para começar as investigações. O trabalho de todas as embarcações francesas será coordenado pelo Salvaero e pelo Salvamar-Nordeste para que as buscas de destroços não prejudiquem a atividade de localização de corpos.

O acidente
O Airbus A330 saiu do Rio de Janeiro no domingo (31), às 19h (horário de Brasília), e deveria chegar ao aeroporto Roissy - Charles de Gaulle de Paris no dia 1º às 11h10 locais (6h10 de Brasília). De acordo com nota divulgada pela FAB, às 22h33 (horário de Brasília) o vôo fez o último contato via rádio com o Centro de Controle de Área Atlântico (Cindacta III). O comandante informou que, às 23h20, ingressaria no espaço aéreo de Dakar, no Senegal.

Às 22h48 (horário de Brasília) a aeronave saiu da cobertura radar do Cindacta, segundo a FAB. Antes disso, no entanto, a aeronave voava normalmente a 35 mil pés (11 km) de altitude. A Air France informou que o Airbus entrou em uma zona de tempestade às 2h GMT (23h de Brasília) e enviou uma mensagem automática de falha no circuito elétrico às 2h14 GMT (23h14 de Brasília). A equipe de resgate da FAB foi acionada às 2h30 (horário de Brasília). Desde a manhã de sábado, foram localizados 41 corpos próximos ao local onde a aeronave emitiu as últimas notificações. As vítimas são levadas até Fernando de Noronha por embarcações da Marinha.

Terra

3 comentários:

  1. muita tristeza por esse crime barbaro,o que eu posso falar é que o senhor proteja a todos

    ResponderExcluir
  2. meus sentimentos a todas as familia das vitimas a dor não tem palavras só deus o todo poderoso pode explica oque acoteceu e pq ele quiz assim mais ele ira comforta a todos

    ResponderExcluir
  3. lamento, pois todos eram preciosos para Deus!

    ResponderExcluir

Sinta-se livre para deixar um comentário ... Aguarde, seu comentário poderá levar alguns minutos para ser exibido.