terça-feira, 5 de janeiro de 2010

FAB prefere caça sueco Gripen NG. Problema no ar da política brasileira

Relatório da Aeronáutica já teria sido entregue ao ministro Nelson Jobim.
Recomendação contraria Lula, que já anunciou negociações com a França.


O relatório técnico da Força Aérea Brasileira (FAB) sobre a avaliação dos caças que disputam a concorrência para servir às Forças Armadas apontou preferência da Aeronáutica pelo modelo sueco, o Gripen NG.

A recomendação contraria o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ministro da Defesa, Nelson Jobim, que já manifestaram publicamente a preferência pelo francês Rafale. A decisão final é de Lula, que pode desconsiderar o relatório. A informação foi publicada nesta terça-feira (5) pelo jornal "Folha de São Paulo".

De acordo com a reportagem, o modelo sueco é o preferido da FAB principalmente pela questão econômica. A expectativa é que o Gripen NG custe a metade do preço do Rafale. O custo de manutenção também seria bem menor do que o principal concorrente. Quem vai arcar com o custo de manutenção é a própria FAB, o que justificaria a maior preocupação com o aspecto econômico.

A principal crítica que tem sido feito aos caças suecos é ao fato de o modelo ser monomotor enquanto os concorrentes Rafale e o norte-americano Super Hornet terem dois motores. Este questionamento ao caça sueco, no entanto, não foi endossado pela FAB, que não considerou este fato como negativo. Para a Aeronáutica, segundo o jornal, este é um problema menor em aviões modernos e influencia pouco na incidência de acidentes.

A recomendação da Aeronáutica deve criar constrangimentos para Lula e Jobim, uma vez que em 7 de setembro chegou a ser anunciada a decisão do Brasil de entrar em negociações com a França para a compra do Rafale. O anúncio aconteceu na presença do presidente Nicolas Sarkozy.

Segundo a reportagem, o principal problema apontado é que o modelo francês é um caça pronto, enquanto o sueco ainda está em desenvolvimento. Por isso, a transferência de tecnologia seria maior se o negócio fosse fechado em torno do Gripen NG. Outro fator que pesaria contra o Rafale seria o econômico. De acordo com o jornal, o preço foi considerado como proibitivo pelo relatório da FAB. O modelo francês, aliás, teria sido apontado como o pior dos três concorrentes, de acordo com o jornal.

De acordo com a "Folha de São Paulo", o relatório foi concluído pela Comissão Coordenadora do Programa Aeronaves de Combate (Copac) e já foi ratificado pelo Comando da Aeronáutica no dia 18 de dezembro. O trabalho já teria chegado às mãos de Jobim.

A assessoria do ministério da Defesa disse ao G1 que Jobim só tratará do tema na próxima semana, quando retorna de férias. O Centro de Comunicação Social da Aeronáutica afirmou que a FAB só se manifestará oficialmente junto com o ministério.

Apesar da questão técnica, a decisão final cabe ao presidente Lula. Ele pode ignorar a preferência da FAB e escolher qualquer um dos três modelos que seguem na concorrência. A tendência é que o escolhido seja anunciado no início deste ano.

11 comentários:

  1. Com todo o respeito ao presidente e ao ministro da defesa ,eles devem respeitar os proficionais da fab pois são els que vão para linha de frente em caso de conflito e levão anos se preparando para serem os melhores e depois a politica os fazerem voar em teco teco

    ResponderExcluir
  2. Eu concordo com o colega,"anônimo".Esta é uma questão militar,politico faz politica, os militares é que morrem.Depois os Gripen NG seram
    fabricados,aqui! E se a fabricante dos Rafales for
    a falência? A o menos tudo estará por aqui.

    ResponderExcluir
  3. Entendo que a questão política, de cooperação mútua e maior aproximação entre o Brasil e a França seja muito importante, mas estamos falando da defesa aérea de um país e não de um simples "toma lá dá cá" como a política costuma ser. Não esquecendo que o Brasil se projetará muito nos próximos anos principalmente por conta do pré-sal e assim sendo, duvido muito que a França, EUA ou outras "elites" dispensem a nossa amizade! Abraços a todos.

    ResponderExcluir
  4. quanto ao acordo militar com a França penso que eles já está bem consolidado e não sofrerá nenhum embaraço com a decisão soberana do governo barsileiro em optar pelo Grippen...já a grande vencedora seria a Embraer...seus técnicos teriam em mão a possibilidade de desenvolver um jato de 4.5ª geração para as necessidades brasileiras e depois exportar o avião acabado...e naturalmente se projetar no futuro como detentora de tecnologia e capacitada a desenvolver um 5ª geração

    ResponderExcluir
  5. http://china-arsenal.blogspot.com/
    http://china-arsenal.blogspot.com/
    http://china-arsenal.blogspot.com/
    http://china-arsenal.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Porque não divide entre frança e Suecia?

    ResponderExcluir
  7. Quem entende de aviões é a FAB e não o presidente. Também quem pagará a manutenção é a FAB, que inclusive, pela razão da hora de vôo ser 1/3 do preço do Rafale, a FAB poderá voar três vezes mais com o Gripen. Poderá inclusive adquir não 36 aviões, mas 72, dando ao Brasil considerável poder bélico diante do mundo. O Gripen custa metade do preço. A Suécia promete em repassar toda tecnologia supersônica, o quer dizer que o Brasil poderá fabricar seus caças. Misteriosa a intenção do presidente em adquirir o Rafale.

    ResponderExcluir
  8. sem comentarios,mais prefiro o caca rafale por ser mais eficiente e avancado

    ResponderExcluir
  9. Enquanto estão pensando nos céus, e a floresta pegando fogo, para plantar pastagem, temos que fortalecer as fronteiras secas e preservar a floresta. pq naum produzir super tucano na embraer, ou reativar a engesa e produzir nossos tanques, ou produzir para-fal calibre 5,66 para todas as forças nas nossas próprias fabicas, dando emprego aos brasileiros e fortalecendo a nossa posição diante do mercosul. Chaves e Ivos neles

    ResponderExcluir
  10. Nao sou piloto,mas certamente os oficiais da fab,fizeram uma criteriosa analise do caça sueco,e avaliaram bem a relaçao custo beneficio.LULa e o ministro escolheram meramente por razoes politicas e por laços de amizade com o estadista frances,e isso nao cabe em uma questao de segurança nacional.

    ResponderExcluir
  11. A FAB está cetíssima...o GRIPEN NG é o melhor caça para Brasil...tem a mesma tecnologia do RAFALE F3 e do F18 SUPER HORNET...com duas vantagens:preço e transferência verdadeira de tecnologia para a nossa EMBRAER...porque é um projeto em desevolvimento,enquanto que os outros dois ja estão desenvolvidos,como que vai haver trasnferência de tecnoligia em projetos prontos meu Deus?!...cada país tem sua realidade,por exempolo para os Estados Unidos:F22 e F35 são os cças ideais,para Russia o T-50,SU-35 E MIG 35...para a Argentina o caça ideal seria o chinês FC-1 ou o J-10...para O Brasil o GRIPEN NG é a solução...e para resolver o problema de enfrentar caças STELTH a solução perfeita brasileira: 70/140 GRIPEN NG + 30 baterias antiaéreas S400 russa daria ao Brasil um poderoso sistema de defesa aeroespacial de primeiríssimo mundo de meter medo e dar respeito a qualquer força aérea do mundo(inclusive a americana)

    ResponderExcluir

Sinta-se livre para deixar um comentário ... Aguarde, seu comentário poderá levar alguns minutos para ser exibido.