sexta-feira, 13 de abril de 2012

A relação esfriou? Veja como esquentá-la

A relação esfriou? Veja como esquentá-la
Especialistas orientam casais a lembrarem que a vida sexual é investimento e, como todo investimento, a pessoa deseja retorno

No começo, tudo caminha muito bem e com bastante animação por ambas as partes. Mas com o passar do tempo, aparece a rotina e a relação sexual pode ir esfriando. Às vezes, sem perceber, o casal substitui os encontros amorosos pela distância. Se o seu relacionamento passa por essa fase, é hora de virar o jogo e esquentar a relação.

A psicóloga Eneida Von Eckhardt e a ginecologista e professora do curso de Medicina da Unesc Sandra Helena Pereira falarem sobre o que leva um casal a esse distanciamento e o que eles podem fazer para reascender a chama.

A primeira atitude é ficar de olho na rotina. “Com o tempo, os casais tendem a cair na rotina e ela vai tornando a relação desestimulante e cansativa. O casal deve apelar para a fantasia, começar a lembrar do tempo de namoro. Quando existe o amor, existe uma motivação para resgatar esse relacionamento”, diz a professora.

Sandra recomenda o jogo de sedução entre os dois. “Mulheres adoram surpresas, jantares românticos e os homens gostam das mulheres com 'roupinhas' diferentes. Algo que faça estimular novamente a fantasia”. 

Dedicar tempo com qualidade ao relacionamento é a dica da psicóloga Eneida Von Eckhardt . “Viajar, divertir-se, dividir as coisas difíceis também! Saber que pode contar com seu companheiro(a), há algo que dá mais prazer? Isso não lhe desperta o interesse? Não aguça o desejo?”, questiona.

A psicóloga destaca que cada pessoa tem características próprias e história de vida. Por isso, cada caso deve se visto individualmente. “O afastamento, o desinteresse sexual é como uma febre do afeto e da sexualidade. O que os afasta? É um sintoma do casal ou do tipo/qualidade de vida que estão levando?”, indaga.
Eneida orienta os casais a lembrarem que o relacionamento e a vida sexual são investimentos e, como todo investimento, a pessoa deseja retorno.

O que está acontecendo?


Que tal pensar na vida do casal ou da família como um todo? Uma resposta geral seria lembrar que a cama começa fora dela. Como andam os planos em comum? A parceria? Tenho vivido só em função de mim mesmo ou só em função do outro? Nenhum dos dois extremos é bom. E o trabalho de cada um? Tudo conta.

Mudar não é esfriar 

Casais que estão juntos há tempos relatam que há modificações, sim. Modificar é diferente de esfriar. Há muitas coisas fora da cama que a determinam. Mas se o desejo pelo outro se foi pode se pensar que o vínculo também. Há casos nos quais as pessoas sofrem de muitas dificuldades e isso se sobrepõe ao afeto, fazendo dar a impressão que não há mais interesse, mas na verdade existem grandes problemas a serem superados.

Sinais de alerta 

Quando a frequência sexual começa a diminuir, a relação não é mais muito prazerosa, o orgasmo fica mais difícil. Se isso começar a acontecer, é preciso parar e procurar entender onde está faltando o tempero da relação. Outros sinais são o brilho do olhar que foi embora, pouca disponibilidade, mau humor e a falta de cuidado com o outro.

Tem que falar 

O diálogo é essencial porque nenhum parceiro tem bola de cristal. É a própria pessoa que conhece as suas vontades. A franqueza é essencial.

Nascimento dos filhos 

No nascimento dos filhos há uma grande modificação na dinâmica do casal, mas pode haver até uma aproximação afetiva entre o homem e a mulher, mesmo que isso não represente o ápice da vida sexual deles. Eles devem se lembar que sexualidade não é compreendida apenas pela vida sexual em si, mas de forma ampla na busca das realizações que tragam prazer.

Invista no bom dia 

O cortejo sexual começa ao acordar. Dê um super carinho logo cedo. Durante o dia mande um torpedo um pouco mais picante. Faça o parceiro sentir que você tem o desejo, porque o desejo de um atiça o do outro.
(Fontes: psicóloga Eneida e ginecologista Sandra Helena)


Dicas para esquentar vida sexual


Ao dizer o "sim" no altar, o casal consuma uma vida em conjunto. O "felizes para sempre", porém, pode encontrar seus percalços com o passar do tempo. Especialistas reforçam a necessidade de cada um manter seu espaço, mas também deixam claro que é imprescindível buscar objetivos a dois. E o diálogo franco é a saída para realizar os pequenos ajustes na relação, inclusive, no âmbito sexual. "Quando o sexo não vai bem, a primeira coisa a fazer é ter uma conversa para falar das insatisfações e propor um acordo para melhorar", afirma a psicóloga e sexóloga Carla Cecarello.



O descompasso entre quatro paredes é apontado como a principal causa do término de relacionamentos. Os dados divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), em 2006, dão conta de que houve um aumento de 7,7% nos divórcios em relação ao ano anterior. E esse acréscimo denota uma mudança no comportamento feminino nas últimas décadas. Um estudo do BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento) mostrou que os divórcios subiram mais de cinco vezes desde 1980. A causa apontada é a influência das novelas da Rede Globo, já que as transmissões da emissora foram expandidas para 98% dos municípios do País na década de 1990.

Com tantos relacionamentos fracassados, a rotina sexual acaba se transformando num fantasma que ronda a cabeça das mulheres. Reinventar a intimidade é o primeiro passo de uma relação saudável e duradoura. "Sexo tem que ser uma brincadeira gostosa", afirma a personal sex trainer Fátima Moura. "Se o casal estiver sempre recriando o básico, a rotina acaba virando novidade", diz Fátima.

Mas o ritmo de vida agitado exige, muitas vezes, horas extras no trabalho, além dos cuidados com os filhos e com a casa. As mulheres acabam, então, deixando de lado os momentos para curtir a sós com o parceiro. Esse é um comportamento que deve ser banido da vida a dois. "É preciso reservar tempo para o casal", fala a psicóloga e terapeuta de casal Marina Vasconcellos. "Eles não devem deixar de existir como marido, esposa e amante para priorizar os filhos", afirma a especialista.

Portanto, ao menos uma vez por semana, vale deixar os filhos com uma pessoa de confiança para namorar. "Transar em diferentes lugares da casa esquenta a relação", diz Carla Cecarello.

A personal sex trainer, por sua vez, aconselha provocar os sentidos do parceiro. "A mulher deve preparar o ambiente para o sexo com perfumes, vinho, música e finalizar com uma massagem erótica." Já Marina Vasconcellos acredita que criar um clima gostoso é o primeiro passo para uma transa de sucesso. "No meio do dia, mandar mensagens carinhosas por SMS ou email, por exemplo, são estimulantes. À noite, o casal pode sair para dançar ou ir a um show porque o retorno para casa terá um ambiente harmonioso e propício para o sexo", acredita Marina.

Quem busca aventura e quer inovar na cama, ainda pode procurar brinquedinhos eróticos. Mas a atenção na escolha é algo relevante. "Há uma grande rejeição pelos homens em relação a vibradores em formato de pênis porque eles se sentem ameaçados", afirma Carla. "Criar uma competição só vai prejudicar ainda mais a vida sexual." Dê preferência, portanto, para artigos "mais inofensivos". Existe uma gama de produtos, como géis, estimuladores de clitóris e esponjas vibratórias para o banho.

Se há um consenso de que a vida sexual não tem lá mais aquele clima ardente, é importante buscar alternativas para retomar o fogo de outrora. Para isso, os especialistas listaram 10 dicas incendiárias. Confira:

1. Deixar os filhos com alguém para ter a casa só para os dois e namorar à vontade. Explore todos os cômodos da casa para fazer sexo, a cama deve ser a última opção;

2. Deixar a vergonha de lado e conversar sobre sexo com mais frequência;

3. Cuidar do corpo, pois se a mulher está feliz consigo, ela se sente segura e poderosa para ousar na cama;

4. Buscar informações e novidades para apimentar a transa. Pode ser um livro erótico para ser lido a dois ou filme para servir de inspiração;

5. Varie as posições sexuais. O papai-e-mamãe é infalível, mas experimentar outras pode trazer um prazer jamais sentido até então;

6. O orgasmo não deve ser visto como objetivo final. Curta o corpo do parceiro, toque-o, massagei-o. O clímax vai chegar e será nada mais do que a consequência das preliminares;

7. Técnicas novas surpreendem o parceiro. Para não cair no ridículo, adapte-as a sua realidade e grau de timidez. O pompoarismo colabora com a conscientização corporal, o striptease provoca o parceiro por meio da visão e a massagem erótica estimula as zonas erógenas;

8. Mostrar a ele como gosta de ser tocada. O parceiro não tem a obrigação de saber o que dá mais prazer à mulher. Guie-o;

9. Surpreender o homem é sempre excitante para ele. Espere-o em casa com uma bela maquiagem, roupa sexy e jantar a luz de velas. A cama será o destino final;

10. Acrescente diversão ao sexo. Busque brinquedinhos eróticos, como géis que esquentam ou esfriam, estimuladores de clitóris ou esponjas vibratórias para o banho a dois.

Fonte: Thaís Camargo Redação Terra

Um comentário:

Sinta-se livre para deixar um comentário ... Aguarde, seu comentário poderá levar alguns minutos para ser exibido.