Mostrando postagens com marcador VASCO. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador VASCO. Mostrar todas as postagens

sábado, 5 de maio de 2012

Pelé é vascaíno! "O time de meu coração é o Vasco"


Pelé é vascaíno! "O time de meu coração é o Vasco" (Vox Populi, TV Cultura 1977)
PELÉ, O VASCAÍNO MAIS FAMOSO DO MUNDO ( Fonte: NETVASCO)


O vascaíno mais conhecido do mundo estará completando 72 anos no dia 23 de outubro de 2012. Ninguém menos do que o "Atleta do Século", o "Rei do Futebol", o "Deus de Todos os Estádios" ou, como ele um dia disse que gostaria de se chamar para mostrar sua gratidão ao futebol, "Édson Arantes do Nascimento Bola".

É isso aí. Pelé é vascaíno, todo mundo já está careca de saber disso. Está certo, que, de vez em quando, para agradar uns e outros, Pelé declara que tem alguma simpatia por este ou aquele time ou então deixa que lhe atribuam paixões clubísticas de acordo com as circunstâncias.

Quer alguns exemplos? Na edição especial da Revista Placar sobre o Rei, em março de 1999, ele disse que seu time de infância era Atlético-MG porque seu pai lá havia jogado. Quando o livro "De Édson a Pelé", que conta a infância de Pelé, foi lançado, especulou-se que os "jogadores" de seu time de botão preferido levavam o escudo do Corinthians. Pronto: inventaram que Pelé era corintiano. O próprio Rei disse, em 1997, quando o Racing da Argentina estava prestes a ter seu estádio penhorado, que torcia para aquele time argentino. Muita gente acreditou. Chegaram até ao cúmulo do mau gosto de afirmar que Pelé seria flamenguista (argghhhh!) por causa de um de seus ídolos de infância, Dida.

Tudo bem. Todos os torcedores têm o direito de se iludir por pelo menos alguns dias acreditando que Pelé realmente torce para o time deles.

O que pouca gente sabe é que o nome VASCO DA GAMA começou a ser "martelado" na cabeça de Pelé muito, muito mais cedo do que se imagina. Quando ele tinha 3 ou 4 anos e ainda era conhecido apenas por Édson, divertia-se vendo os treinos do pai, "seu" Dondinho, que jogava no Vasco da Gama, de São Lourenço-MG. O maior ídolo do pequeno Édson, além de seu pai, é claro, era o goleiro do time, que se chamava Bilé. Édson dizia a todos que queria ser como Bilé quando crescesse, mas, como não conseguia pronunciar o nome do goleiro corretamente, acabava saindo "Pilé", apelido que rapidamente derivou para "Pelé".

Ao se mudar para Bauru com a família, em 1944, Pelé já tinha seu apelido formado. Numerólogos dizem que "Pelé" é um nome cujos fluidos positivos seriam mais do que propícios à formação de um campeão (teria sido Pelé um perna-de-pau se tivesse adotado o nome Édson?). Estudiosos da Bíblia dizem que, em textos do antigo testamento, estava prevista a vinda de um "Conselheiro, Deus forte, Pai da Eternidade", e que seu nome seria "Maravilhoso", ou... "Pele", em hebraico.

O fato é que, sejam quais forem as explicações místicas, Pelé entrou no time do Bauru Atlético Clube e fez miséria por lá até que, aos 15 anos, foi levado para o Santos Futebol Clube. É nessa época que o Vasco aparece pela segunda vez na vida de Pelé. Conta-se que o então diretor de futebol do Vasco, Antônio Soares Calçada, viajou a Santos em busca de três titulares do time praiano para reforçar o Vasco. O presidente do Santos, Modesto Roma, nem quis conversa e ofereceu Pelé por empréstimo. Calçada se interessou pelo jovem, mas quis comprá-lo, oferta que não agradou o dirigente santista. A negociação morreu ali.



Só que o mundo do futebol dá voltas e, lá pelos idos de 1957, Vasco e Santos formaram um combinado para jogar alguns amistosos. Ficou acertado que, nos amistosos jogados no Rio de Janeiro, o combinado atuaria com a camisa do Vasco; nos amistosos em São Paulo, a equipe atuaria com a camisa do Santos. Seria a chance de Pelé vestir a camisa do Vasco pela primeira vez.

No dia 19 de junho de 1957, Pelé entrou em campo no Maracanã para enfrentar o Belenenses de Portugal. O combinado formou com Wagner, Paulinho de Almeida e Bellini; Urubatão, Braune e Ivan; Iedo (Artoff), Álvaro, Pelé, Jair da Rosa Pinto (Waldemar) e Pepe. Um timaço, que goleou o time português por 6 a 1 com 3 gols de Pelé - um deles driblando toda a defesa adversária.



Três dias depois, no dia 22/06/1957, o Combinado Vasco/Santos novamente iria ao Maracanã para duelar com um time estrangeiro. Desta vez, o Dínamo de Zagreb, da Iugoslávia. O jogo terminou empatado em 1 a 1, com Pelé deixando sua marca. No dia 26 de junho, o Combinado foi a campo mais uma vez, para empatar com o Flamengo também por 1 a 1. Adivinhe que fez o gol? Ele mesmo, Pelé.

O Combinado partiu para São Paulo e só faria mais um jogo, contra o São Paulo (1 x 1, gol de Pelé novamente). Porém, os cinco gols de Pelé - na época um moleque de 16 anos - com a camisa do Vasco em apenas três jogos chamariam a atenção de Sílvio Pirillo, então técnico da Seleção, que o convocou para um jogo contra a Argentina no Maracanã. O Brasil perdeu por 2 a 1, mas Pelé entrou no segundo tempo e fez o gol de honra da Seleção Brasileira.



A partir daí, Pelé não pôde mais se dar ao luxo de vestir a camisa do Vasco. Foram 18 anos envergando as camisas de Santos, Seleção das Forças Armadas, Seleção Paulista, Seleção Brasileira e Cosmos, equipes pelas quais conquistou 59 títulos e marcou mais de 1200 gols. Depois de aposentado, no entanto, Pelé até vestiu outras camisas, como as da Seleção da Nigéria, da Seleção da Região Sudeste, do Flamengo e do Fluminense (essas duas últimas provavelmente muito a contragosto).

Entre 1957 e 1974, o Vasco enfrentou o Santos com Pelé 20 vezes. Foram 8 vitórias de cada lado e 4 empates. Quatro destas partidas ficaram marcadas para sempre no coração dos vascaínos (nem sempre por terem tido um desfecho favorável ao Vasco, pois, como se sabe, enfrentar o Santos de Pelé era dose!):

1- No Torneio Rio-São Paulo de 1959, o Vasco liderava com certa tranqüilidade a competição e só uma derrota para o Santos no último jogo tiraria o bicampeonato de São Januário (o Vasco havia sido campeão em 1958). Pois o Santos, comandando por Pelé, venceu brilhantemente o Vasco por 3 a 0 e ficou com o título. O jogo foi disputado em 17 de maio de 1959.

2- Em 1963, também pelo Torneio Rio-São Paulo, ocorreu um fato que até hoje é lembrado. Vasco e Santos se enfrentavam no Maracanã e o Vasco vencia por 2 a 0. Passamos a palavra a Pelé: "Naquele dia, o Brito e o Fontana (zagueiros do Vasco) me encheram demais. Quando a bola saía, um deles a chutava para mais longe, aproveitando que, naquela época, não havia tantos gandulas. Depois, falavam: 'É, crioulo, essa não dá mais...'. Só que, quando faltavam 3 minutos pro jogo terminar, fiz um gol, descontando para dois a um. Faltando dois minutos, fiz outro. Aí peguei a bola, dei pro Fontana e disse: 'Tá vendo isso aqui? Leva pra sua mãe de presente'".

Num programa de TV em 1997, o vascaíno Nélson Piquet encontrou Pelé e declarou: "Uma das poucas vezes que eu fui no Maracanã foi nesse jogo, em que estávamos ganhando de 2 a 0 e ele fez dois gols. Nesse dia eu acho que se encontrasse ele na minha frente, matava ele! Mas depois que soube que ele era vascaíno, eu o perdoei".

3- No dia 19 de novembro de 1969, o mundo literalmente parou para ver a partida em que poderia sair milésimo gol do Rei, justamente contra o... Vasco. O goleiro vascaíno Andrada fechou o gol naquela partida válida pelo Torneio Roberto Gomes Pedrosa, mas, aos 38 minutos do segundo tempo, Pelé fez, de pênalti, o gol que até hoje é considerado "o gol do século". Andrada virou "o arqueiro do Rei" e até a segunda viagem do homem à Lua passou despercebida perto de um acontecimento tão grandioso aqui na Terra.

4- Em 14 de outubro de 1973, o Santos veio ao Rio de Janeiro para encarar o Vasco pelo Campeonato Brasileiro. Seria a primeira vez em que o maior ídolo do Santos estaria frente a frente com o futuro maior ídolo do Vasco: Pelé versus Roberto Dinamite. Muitos achavam que Dinamite, aos 19 anos, iria se intimidar diante do Rei, mas não foi isso que se viu: aos 34 minutos de jogo, o lateral vascaíno Paulo César enfiou na medida para Roberto que, ganhando de Carlos Alberto Torres na corrida, emendou para o gol num sem-pulo indefensável. Pelé foi cumprimentar o vascaíno pelo gol e declarou ao fim do jogo: "Este foi o gol mais bonito que eu vi nesse Campeonato Brasileiro. Se esse garoto for bem trabalhado, será um craque". Proféticas palavras: Roberto Dinamite se tornaria o maior artilheiro da História do Vasco com 700 gols em 1100 jogos.



Se contar a relação de Pelé com o Vasco já toma tanto espaço, continuar falando sobre a vida e a carreira do Rei exigiria vários e vários megabytes. Diga-se, portanto, somente que a marca Pelé é mais conhecida no mundo do que a Coca-Cola; que a Nigéria e a Biafra interromperam uma guerra em janeiro de 1969 para que o Santos de Pelé pudesse jogar no local; e que durante a Copa de 1966, na Inglaterra, ninguém menos que os Beatles quiseram conhecer Pelé mas foram barrados na concentração da Seleção. Que outra figura contemporânea exerceu tamanho poder sobre os homens da Terra?

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Nicole Bahls está apaixonada por zagueiro do Vasco

Ex-panicat Nicole Bahls está apaixonada por zagueiro do Vasco
Após a Vitória do Vasco por 5 a 2 contra o Universitário na última quarta-feira (09), Victor Ramos e Nicole teriam ficado em uma boate carioca


foto: Marcos Serra Lima/Paparazzo
Nicole Bahls

A ex-panicat Nicole Bahls está apaixonada. Após passar a noite com o zagueiro do Vasco Victor Ramos, ela não resistiu e "declarou' seu amor em seu Twitter.
Comemora, Victor Ramos!

"Dei uma sumida há ultimamente porque arrumei uma paquera...", disse  Bahls, e continuou: "Só quero saber de beijar na boca ultimamente... Acho que estou apaixonada", completou.

Após a Vitória do Vasco por 5 a 2 contra o Universitário na última quarta-feira (09), os jogadores do Vasco foram  comemorar o resultado em uma boate carioca. A noite rendeu e Victor Ramos e Nicole teriam ficado juntinhos durante toda a balada.

gazetaonline

domingo, 1 de maio de 2011

Briga de torcedores de Vasco e Flamengo tem cinco baleados e um morto no Rio

Briga de torcedores de Vasco e Flamengo tem cinco baleados e um morto no Rio
Um homem morreu no centro de Campo Grande. Feridos de confusão em Niterói foram levados para o Hospital Azevedo Lima, no mesmo município


Um homem foi morto e outro ficou ferido numa briga entre torcedores do Vasco e do Flamengo, na tarde deste domingo, em Campo Grande, na Zona Oeste do Rio de Janeiro. As informações foram confirmadas pela Polícia Militar. Segundo o comandante do 40º BPM (Campo Grande), tenente-coronel Lucas, a briga foi marcada pela internet.

Policiais do 40º BPM foram acionados logo após receberem denúncias de moradores. De acordo com o tenente-coronel Lucas, quando chegaram ao local da briga, os PMs encontraram apenas os baleados. As duas vítimas foram socorridas no Hospital Rocha Faria. Uma delas, no entanto, não resistiu. O outro ferido foi baleado na perna. Ele foi atendido e liberado em seguida.

O caso foi registrado na 35ª DP (Campo Grande). O policiamento foi reforçado no bairro. Neste domingo, Vasco e Flamengo disputam a decisão da Taça Rio, pelo Campeonato Carioca.

Seis feridos em Niterói
Em Niterói, na Região Metropolitana, a Polícia Militar informou que pelo menos seis pessoas ficaram feridas numa outra confusão envolvendo torcedores nesta tarde. Ao todo, 102 pessoas foram detidas, e encaminhadas para a delegacia, de acordo com o comandante do 12º BPM (Niterói), tenente-coronel Paulo Henrique Moraes.

O comandante informou que a briga foi perto de um supermercado. O local é onde torcedores costumam se reunir antes de jogos de futebol. Flamengo e Vasco decidem neste domingo o título da Taça Rio.

De acordo com ele, homens passaram dentro de um carro fazendo disparos. Os detidos estavam em uma confusão que teria ocorrido antes dos disparos.

A PM informou que os feridos foram encaminhados para o Hospital Azevedo Lima, em Niterói. Não há informações sobre o estado de saúde dos feridos. No entanto, a Secretaria estadual de Saúde informou que apenas quatro feridos deram entrada neste hospital.

Os detidos foram levados para a 78ª DP (Fonseca).

Mais confusão, agora no Méier
Houve pancadaria também em um ponto entre as ruas Hermengarda e Dias da Cruz, no Méier, bairro localizado na Zona Norte do Rio de Janeiro. Ainda não informações sobre feridos no local.

Vasco e Flamengo se enfrentam às 16h deste domingo, no Engenhão, pela decisão da Taça Rio, o segundo turno do Campeonato Carioca.


GLOBOESPORTE.COM

sexta-feira, 30 de julho de 2010

"Eliza Samudio? Eu vou fazer pior com você!" Atacante do Vasco teria ameaçado dançarina Fernanda Terremoto de Morte.

Fernanda Terremoto teria saído com o atacante do Vasco, mas possível romance fora descoberto pela esposa do jogador

Em meio ao turbilhão do Caso Bruno, o atacante Elton, do Vasco, também pode ser denunciado à polícia por ameaça de morte à dançarina Fernanda Terremoto. Segundo a jovem, de 23 anos, o centroavante liga constantemente para o telefone dela e profere palavrões e palavras de ordem. No entanto, Elton desmente as acusações da funkeira.


Elton, atacante do Vasco

Em nota oficial, o jogador admite que conhece Fernanda, porém é ela quem perturba a família dele.
"Realmente não entendo como alguém pode fazer esse tipo de coisa, como ir para a imprensa e inventar fatos sobre outras pessoas. Não escondo que conheço a mulher citada, mas não a vejo desde fevereiro do ano passado. Também não nego que falei com ela no dia indicado, mas ela esqueceu de mencionar que foi a minha mulher que recebeu a ligação, não ligamos para ninguém e nem quisemos conversa. Sobre as supostas ameaças feitas por mim, fico triste por ver alguém usar de mentiras para se autopromover. Não foi a primeira vez que ela nos ligou, sempre tentando perturbar o meu relacionamento. Posso dizer que estou tranquilo e feliz com minha esposa. Acordo e durmo todos os dias pensando em fazer o melhor no meu clube e ter harmonia na minha casa".

Em entrevista ao jornal "Extra", Fernanda Terremoto disse que pode prestar queixa na polícia. E revelou um trecho da conversa com o atacante cruzmaltino.

- Sabe o que aconteceu com a Eliza Samudio? Eu vou fazer pior com você - teria dito o atleta.
A MC teria tido um romance com Elton e o caso fora descoberto pela esposa do atacante cruzmaltino. Em junho, Fernanda foi vista com o atacante Neymar em um show de pagode do grupo Revelação, no Rio de Janeiro.



Por GLOBOESPORTE.COM
Rio de Janeiro


Read more: http://tvcanal7.blogspot.com/2010/07/atacante-do-vasco-nega-que-tenha.html#ixzz0vCqShn00

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Fotos da musa da 'Revista do Vasco'

A edição maio da 'Revista do Vasco' traz de Raíssa Bergiante, de 20 anos. A estudante de administração, ela foi eleita a musa da mês na publicação oficial do Gigante da Colina.
foto: Arquivo Pessoal/Orkut
Raíssa Bergiante, musa da edição de maio de 2010 da Revista do Vasco
Galeria de Fotos
O ator Rodrigo Santoro vai estampar a capa. Torcedor cruzmaltino, ele abriu o seu coração, falou da paixão pelo clube e dos novos projetos na carreira. O artista aproveitou para revelar a emoção que sentiu ao pisar no gramado de São Januário para iniciar as filmagens do longa baseado na vida do ex- jogador Heleno de Freitas.

A revista vai estar à disposição dos torcedores a partir de sexta-feira nas bancas do Rio de Janeiro. Os outros estados terão o exemplar apenas na próxima terça-feira. A publicação custa R$ 7,90, e a assinatura pode ser feitas através do site oficial do Vasco.

Além do papo com Santoro, a publicação ainda conta com uma entrevista com o lateral-esquerdo Ramon, que completou 22 anos nesta quinta-feira, e dos investimentos feitos pelo clube para a disputa do Campeonato Brasileiro, que começa no próximo sábado.

GazetaEsportes.com

quarta-feira, 21 de abril de 2010

BBB e musa do Vasco posa nua na Playboy


A morena Juliana Goes, da oitava edição do "BBB", terá seu ensaio nu republicado em junho, com direito a seis páginas, na "Playboy" americana. No ano passado, ela apareceu nas versões húngara e sérvia da revista. Em maio 2007, Juliana foi a capa da versão brasileira da revista masculina. A jornalista, de 26 anos, nascida em Santos, também foi a representante do Vasco no concurso Musa do Brasileirão 2006.

21/04/2010 -(Extra - Retratos da Vida)

sábado, 13 de março de 2010

Um morto, pelo menos três feridos e cerca de 30 detidos em briga de torcidas de Vasco e Flamengo

Uma pessoa morreu, pelo menos três ficaram feridas e cerca de 30 foram detidas na madrugada desta sexta-feira, numa briga de torcidas do Flamengo e do Vasco em São Gonçalo, na Região Metropolitana. O duelo teria sido marcado por sites de relacionamento da internet, informação que está sendo investigada pela Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática.

O confronto começou no bairro de Neves, onde houve uma troca de tiros entre os torcedores, e se estendeu pelo Gradim e pelo Zé Garoto, na região central da cidade. No tiroteio, pelo menos três pessoas foram baleadas. Duas foram levadas para o Pronto Socorro municipal de São Gonçalo: Anderson Ferreira Ribeiro, de 19 anos, e Alexander Santana Fortunato, de 34. Anderson, torcedor do Vasco, com um tiro na coxa, não resistiu aos ferimentos e morreu. Já Alexander foi atingido na perna, e já foi liberado, alegando não ter participado da briga nem ser membro de torcida organizada alguma. Um terceiro homem, não identificado, seguiu para uma clínica particular.

Já Diego Arantes de Lima, de 22 anos, da torcida do Flamengo, foi reconhecido por torcedores vascaínos, quando esses levavam uma das vítimas do duelo para o hospital. Diego foi espancado em frente ao Pronto de Socorro de São Gonçalo, onde foi internado com ferimentos no rosto. Funcionários da unidade chamaram a PM, e um grupo de torcedores foi detido. Segundo a polícia, seis deles foram identificados através de imagens das câmeras de segurança do pronto socorro: Guilherme Barreto de Pinheiro, Renato Teixeira, Kreisson Walace Barbosa, João Paulo Leonardo da Costa, Wander Jorge Braga Vicente e Francisco Porto Sales.

Eles foram levados para a 74ª DP (Alcântara), onde o caso foi registrado. Ao longo da noite, cerca de 30 pessoas chegaram a ser detidas, também na área da 73ª DP (Neves). De acordo com o delegado titular da 74ª DP, Jorge Luiz da Silva Veloso, os seis identificados pelas câmeras de segurança foram autuados por tentativa de homicídio e continuam presos. O caso será remetido para a 72ª DP (São Gonçalo), que centralizará as investigações.

Fonte: EXTRA

domingo, 8 de novembro de 2009

Vasco da Gama, tua volta assim se fez..

Rio de Janeiro - Com a volta do tetracampeão brasileiro à elite consumada, o Correio aponta a seguir os 11 pilares da reconstrução do time cruzmaltino. Competente do início ao fim da Série B, o Vasco provou mais uma vez - a exemplo de Grêmio, Atlético-MG, Corinthians, Palmeiras e Botafogo -, que é possível voltar à primeira divisão sem tapetão e estouro de champanhe para comemorar virada de mesa. O clube soube juntar os cacos do rebaixamento, resgatar a dignidade e agora almeja o título.

1. Sentimento

O choro do meia Pedrinho e o desespero do torcedor Fernando Vilaça, que tentou se jogar da marquise de São Januário, resumiram o sentimento do vascaíno com o rebaixamento inédito à Série B, em dezembro de 2008. Além dos erros em campo, o clube enfrentou brigas políticas ao longo do ano. Depois de uma longa batalha na Justiça, Roberto Dinamite e o grupo de oposição conseguiram marcar novas eleições para tentar tirar Eurico Miranda do poder. O ex-atacante derrotou Amadeu Pinto da Rocha, então vice-presidente geral do Vasco, e assumiu o clube em 1º de julho. Cinco meses depois, a nova diretoria assistiu à queda do cruzmaltino de camarote. Os números ajudam a entender a degola. O clube terminou o Brasileiro com a segunda pior defesa (72 gols sofridos) e perdeu 20 vezes. Amargou um jejum de nove partidas sem vitória, e teve cinco comandantes em 2008: Romário, Alfredo Sampaio, Antônio Lopes, Tita e Renato Gaúcho.

2. Reconstrução

O Vasco teve menos de um mês para montar a base de um elenco capaz de levá-lo de volta à elite. Apenas sete jogadores continuaram no clube ao fim do Brasileiro de 2008. %u201CCaímos em 7 de dezembro e em 5 de janeiro precisávamos de um plantel novo. Primeiro, buscamos um técnico que passasse credibilidade e esperança à torcida%u201D, revelou o vice de futebol, José Hamilton Mandarino. Dorival Júnior foi o escolhido. %u201CO segundo aspecto, indispensável, foi procurar um diretor executivo com dedicação exclusiva ao time. Deram ótimas referências de Rodrigo Caetano, que teve uma experiência de Série B, no Grêmio%u201D, explicou o dirigente. Com os dois em São Januário, a cúpula de futebol foi montando nome a nome a nova equipe cruzmaltina.

3. Comprometimento

Palavra-chave na organização do elenco. %u201CA prioridade era encontrar jogadores dispostos a integrar um grupo e buscar o resultado coletivo. Não adianta ter um craque se não houver trabalho solidário. Procuramos nos inspirar na colaboração e no respeito%u201D, afirmou Mandarino. Segundo Rodrigo Caetano, o Vasco buscou no mercado atletas com perfil competitivo e comprometido. %u201CHouve uma remontagem total. Na Série B, é outro futebol a ser jogado. O foco era esse. Não escondemos, nem na semifinal da Copa do Brasil, que nosso grande objetivo era retornar à Série A%u201D, disse o executivo de futebol. %u201CMontamos uma equipe para levar o título%u201D, garantiu o presidente Roberto Dinamite.

4. Investimento

Como o orçamento era limitado, a maioria dos atletas chegou por empréstimo. O Vasco mirou em atletas com potencial, mas que tinham poucas chances em seus clubes e fariam o ano da vida no cruzmaltino. Foi o caso do lateral-esquerdo Ramon, do Inter, que pouco jogou no colorado. %u201CSofremos de carência nas laterais nos últimos anos. Por isso, demos importância ao setor%u201D, contou Mandarino. Para o lado direito, o clube contratou o experiente Paulo Sérgio, que já havia disputado a Série B pelo Avaí. Contar com jogadores que tivessem experiência na segundona também foi um critério. Além de Dorival Júnior, a equipe começou a temporada com 12 atletas que passaram anteriormente pela competição. O atacante Elton e o meia Jefferson, por exemplo, chamaram a atenção no Santo André.

5. Negociador

Outra figura importante na montagem do elenco foi o empresário vascaíno Carlos Leite. A maior parte das negociações foi conduzida por ele, que ajudou com o aporte financeiro inicial %u2014 antes da assinatura do contrato de patrocínio com a Eletrobrás. Leite funcionou como um investidor, pois o clube não tinha dinheiro suficiente para formar um time no primeiro semestre. %u201CTivemos a colaboração dele, que se dispôs a entrar no risco com a gente. O importante é preservar o interesse do clube, como aconteceu%u201D, contou Mandarino. Quando começou a costurar o grupo, o dirigente se deu conta de que faltava uma estrela. %u201CToda equipe precisa de alguns nomes de destaque. Temi não poder trazer o Carlos Alberto, que é um atleta mais caro do que os outros. Para formar o time, tomei como base o orçamento de 2008 e impus a restrição de que elevaria no máximo em 15%. Só conseguimos fechar com Carlos porque houve acertos e o Werder Bremen ficou com parte do salário%u201D, explicou o vice de futebol.
6. O 12º jogador

O elenco formado com dificuldade deu liga e marcou sobretudo pela força de vontade. %u201CTemos uma equipe competitiva, vibrante, que se entrega e se preparou para enfrentar um ano difícil. Se não foi o time dos sonhos, resgatou o respeito, a identificação e a autoestima da torcida%u201D, afirmou o técnico Dorival Júnior. E resgatou mesmo. O Vasco colocou 79.635 pessoas no Maracanã, na goleada por 4 x 0 sobre o Ipatinga, e supera em média de público 17 clubes da Série A. Se tivesse disputado todas as partidas no %u201CMaior do Mundo%u201D, poderia até brigar com o
Atlético-MG pela liderança como mandante. %u201CO torcedor tem sido um parceiro e tanto desde o dia que o clube caiu%u201D, reconhece o presidente Roberto Dinamite.

7. Paciência

Colocar a teoria em prática não foi fácil. Depois de três triunfos, o Vasco enfrentou um jejum de seis jogos sem vitória. Junho foi o mês mais complicado, com a eliminação na Copa do Brasil e cinco empates seguidos, sendo quatro deles por 0 x 0. Com isso, a equipe caiu para a oitava posição e deixou o então líder, Guarani, abrir nove pontos de vantagem. Os jogadores já não escondiam o desconforto com a pressão. Para piorar, o clube sofria com a insistente comparação ao Corinthians, campeão em 2008. Incomodado, Dorival Júnior deu um ponto final ao assunto. "Valorizo nossa campanha porque o Vasco não teve vantagem alguma. Os clubes se prepararam melhor neste ano", observou o treinador.

8. Competitividade

A maior dificuldade de Dorival Júnior foi encontrar a formação ideal. O Vasco sofreu com uma série de lesões e Dorival precisou fazer mudanças na maioria das partidas. %u201CFico contente em ver que mantivemos a regularidade mesmo com as seguidas alterações. Nunca trabalhei em uma equipe que mudou tanto. Acho que só consegui repetir a escalação uma vez. Se antes tínhamos uma equipe, hoje temos um grupo%u201D, comemorou. Para manter o elenco motivado, o técnico escolheu dois intocáveis, Fernando Prass e Carlos Alberto.

9. Foco

Com o acesso matemático garantido, o Vasco muda o foco para o título. O clube não conquista um troféu desde o Campeonato Carioca de 2003. "Agora nossas contas são para sermos campeões. A gente tinha que fazer isso valer a pena. Era um desafio imenso", testemunha o goleiro Prass. A festa da classificação foi ontem, diante do Juventude, em jogo transferido, no Maracanã. O objetivo da diretoria com a conquista do inédito troféu foi recuperar o recorde de público de todas as divisões em 2009. A marca no triunfo sobre o Juventude foi de 78.609 pagantes.
10. Planejamento

Pé no chão e profissionalismo. Estas são as palavras de ordem no Vasco para planejar a temporada 2010. Com o acesso à Série A assegurado, e o sentimento de dever cumprido, a diretoria já começa a pensar no ano que vem. Mas que ninguém espere por uma equipe de craques e promessas de títulos. Animado com o patrocínio da Eletrobrás e a possibilidade de novas parcerias, o presidente Roberto Dinamite promete um time vencedor.

11. Credibilidade

O Vasco divulgou em abril o balanço de 2008 e os números foram alarmantes. A dívida havia alcançado
R$ 377 milhões, sendo que ao fim de 2007 era de R$ 217 milhões. O projeto de recuperação financeira é longo. Se a torcida não pode esperar mudanças imediatas, o clube já reduziu gastos e se preocupou em gerar mais receitas nesta temporada. A principal vitória foi assinar o contrato com a Eletrobrás, que vai render aos cofres do clube R$ 14 milhões (R$ 12,5 milhões para o futebol).


Correio Braziliense

quinta-feira, 4 de junho de 2009

Corinthians x Vasco: 23 detidos após briga de torcidas; tumulto deixou 1 morto e 7 feridos

Uma briga entre torcedores do Corinthians e do Vasco terminou com uma pessoa morta, sete feridas e 23 detidas, na noite de quarta-feira (3), antes da partida que aconteceu no estádio do Pacaembu (zona oeste de São Paulo), pela Copa do Brasil.

Segundo informações da Polícia Militar, torcedores corintianos armaram uma emboscada para o comboio de ônibus dos torcedores rivais que trafegava pela pista local da marginal Tietê, entre a ponte das Bandeiras e da Casa Verde, por volta das 21h.

Rubens Cavallari/Folha Imagem
Após jogo, torcedores atearam fogo em ônibus perto do Pacaembu
Após jogo, torcedores atearam fogo em ônibus perto do Pacaembu

Os dois grupos de torcedores se enfrentaram, o que resultou na morte de um rapaz. A confusão foi controlada pela Polícia Militar, que prendeu 22 pessoas e apreendeu um adolescente. Todos foram encaminhados para 13º DP (Casa Verde) e transferidos para o DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa).

De acordo com a SSP (Secretaria de Segurança Pública), policiais realizam diligências em ruas da região a procura de mais envolvidos. Foram apreendidos com os suspeitos barras de ferro, rojões e uma faca.

O homem morto durante a briga foi encaminhado para o IML (Instituto Médico Legal) e, até as 12h30 de hoje, ainda não tinha sido identificado. Das sete pessoas feridas durante a confusão, apenas uma permanece internada no pronto-socorro Santana e deve passar por cirurgia. De acordo com a Secretaria Municipal da Saúde, ele sofreu fratura no nariz e no braço.

Ainda na noite de ontem, um ônibus da torcida do Vasco e três carros foram incendiados na avenida Pacaembu, na zona oeste de SP. Segundo informações da PM, não há informações de feridos em decorrência dos incêndios.

Procuradas pela reportagem, torcidas organizadas dos dois times não quiseram comentar o assunto e negaram ter qualquer envolvimento com a confusão.

Fonte: Folha Online

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

SPORT 2 X 2 VASCO: Time cruzmaltino vacila no fim e deixa vitória certa escapar



Segundo gol do Leão foi marcado aos 46 minutos do segundo tempo. Lanterna fica com o Flu, que ainda joga na rodada

Leandro Amaral brilhou, mas com um gol nos acréscimos, o Sport empatou com o Vasco por 2 a 2 nesta quarta-feira, na Ilha do Retiro. Com o resultado, o Leão chega a 40 pontos e permanece na 11ª posição. O time cruzmaltino, que perdeu a chance de sair do grupo dos quatro últimos, agora tem 27, fica na 17ª posição e deixa a lanterna com o Fluminense. O Tricolor das Laranjeiras, o Ipatinga e a Portuguesa, que também estão na zona de rebaixamento, ainda jogam na rodada.

Na próxima rodada, domingo, 10 de outubro, as duas equipes têm clássicos regionais pela frente. O Vasco enfrenta o Flamengo no Maracanã, e o Sport terá pela frente o Náutico na Ilha do Retiro.

Leandro Amaral coloca o Vasco na frente do placar

A partida começou com uma ótima oportunidade logo no primeiro minuto. Leandro Amaral foi derrubado por Ygor na entrada da área e o árbitro marcou a falta. Baiano bateu com categoria e acertou o travessão do goleiro Magrão, que só olhou. A partir daí, o Sport passou a tomar conta das ações, mas, apesar da maior posse de bola e volume de jogo, os donos da casa tinham dificuldade de penetrar no ferrolho vascaíno. Aos 17, a primeira boa trama do time rubro-negro. Após o cruzamento da direita, Ciro teve boa chance de finalizar, mas não alcançou a bola. A postura defensiva do Vasco obrigou o Leão a arriscar de longe, como fez Dutra aos 29, mas sem perigo.

A partir dos 30 minutos, o domínio rubro-negro passou a surtir mais efeito e as chances começaram a aparecer. Aos 35, Roger arrancou pela direita, fez o corte e mandou uma bomba de perna esquerda. Rafael se esticou e fez boa defesa. Aos 37, a recompensa do Sport. Kássio chutou cruzado da direita, a bola pegou na cabeça do vascaíno Baiano e enganou o goleiro cruzmaltino: 1 a 0. Em uma bobeira da zaga, os visitantes empataram. Aos 40, Alex Teixeira roubou a bola de Moacir na defesa e tocou para Leandro Amaral. O atacante chutou forte, rasteiro, e fez o gol: 1 a 1.

O espírito guerreiro vascaíno falou mais alto já nos acréscimos do primeiro tempo. Aos 46, Leandro Amaral recebeu passe e, de perna esquerda, mandou um lindo chute no cantinho de Magrão, que se esticou todo mas não chegou na bola. Leandro Amaral 2 x 1 Sport.

Vasco se fecha, mas toma gol no finzinho

Com a vantagem conseguida na primeira etapa, a equipe vascaína voltou do vestiário com uma postura ainda mais defensiva, de olho nos espaços dados pelo Sport. O Leão seguiu com muitas dificuldades de furar o bloqueio cruzmaltino, a apostou nas bolas aéreas para tentar chegar ao gol, mas o goleiro Rafael conseguia afastar a maioria das bolas.

Apesar da tentativa de pressão rubro-negra, foi o Vasco que teve a primeira boa chance. Aos 11, Valmir fez boa jogada pela esquerda e cruzou na medida para Mateus, que subiu e desviou, mas a bola foi para fora. Aos 24 aconteceu um lance polêmico. Ciro entrou na área e tentou driblar Odvan, que foi com o braço para tentar impedir o avanço. O jogador do Sport caiu pedindo pênalti, mas árbitro mandou o lance seguir.

Para desespero dos vascaínos, de tanto insistir o Leão chegou ao gol de empate. Aos 46, após troca de passes dentro da área, Ciro girou na frente de Rafael e chutou por baixo do goleiro. 2 a 2 e festa rubro-negra no Recife.

Fonte: globoesporte.com