Mostrando postagens com marcador problemas. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador problemas. Mostrar todas as postagens

sábado, 5 de maio de 2012

Pênis: Conheça alguns dos principais problemas penianos

“Defeitos de fábrica”
Conheça alguns dos principais problemas penianos


Dr. Ricardo de La Roca

Os nomes podem parecer estranhos, mas os problemas são mais comuns do que se pensa. Conheça alguns:

Micropênis - pênis muito pequeno em tamanho e circunferência, por falta de estimulo hormonal, ou até por alterações dos hormônios maternos que podem exercer efeito prejudicial no desenvolvimento do aparelho genital masculino do feto

Este problema pode ser contornado em parte por medicamentos, mas sem poder oferecer muitas alternativas e garantias de um pênis normal no futuro.

Hipospádia - com certeza um dos problemas mais comuns do pênis. Ele se caracteriza por uma abertura anormal no orifício por onde sai a urina.

A maioria dos casos é acompanhada por uma alteração da pele que recobre a cabeça do pênis, deixando ela com um formato de capuz. Em alguns casos, ao ficar ereto, o pênis apresenta curvatura para baixo.

Esse problema dá para ser reconhecido desde o nascimento pelos médicos e deve ser tratado ainda na infância. Somente a cirurgia pode restaurar a correta posição da uretra e a curvatura peniana.

A operação para a correção é delicada, pois consiste na liberação da uretra, na correção do eixo dos corpos cavernosos e na criação de um túnel de pele unindo a uretra à ponta da glande.

Epispádia- esse é um problema raro, que se caracteriza pela abertura da ureta na parte superior (dorso) do pênis.

Nesse caso, além de a uretra não fechar na glande, o problema vem acompanhado por um defeito ainda mais grave, que é a bexiga também aberta - toda a parede abdominal que deveria recobrir a bexiga é aberta, deixando-a exposta.

A cirurgia também é o único meio de reverter esta situação, bem mais complexa que a hipospádia.

Fonte: http://jovem.ig.com.br

O pênis pode "quebrar" quando está duro?


Quebrar literalmente não, pois o bilau não tem osso. Mas é quase isso. Se o pênis duro for dobrado ou envergado, pode ocorrer a fratura dos corpos cavernosos - duas cavidades localizadas nas laterais do pênis que se enchem de sangue durante a ereção. "Durante a fratura, ocorre o rompimento de uma membrana relativamente elástica que envolve os corpos cavernosos", afirma o urologista Paulo Rocha, da Santa Casa de Misericórdia de Curitiba (PR). O pênis, quando flácido, pode ser entortado, virado e torcido. Mas ereto, ele é pouco flexível e, portanto, sujeito a choques que podem romper a tal membrana. "Quando ela arrebenta, o sujeito pode até ouvir um estalo", diz o médico. O estrago é feio. Em pouco tempo, o pênis - e às vezes também o saco - fica roxo devido à hemorragia interna causada pelo rompimento da membrana. Depois de um ou dois dias, o coitado pode ficar preto. "Essa é a evolução natural da cor do sangue sob a pele", afirma Paulo. A boa notícia é que, nos dias seguintes, a membrana quase sempre cicatriza sozinha. Mas sexo de novo, só depois de um mês.
Cacetada infelizAcidente acontece se o cara errar a mira e bater o bilau em algo duro
1 - Pois é, meu companheiro: a "fratura biláusica" pode acontecer em várias situações. Por exemplo, durante o rala-e-rola, quando o homemtira o pênis duro da vagina e tenta uma nova penetração, o pinto pode entortar bruscamente se topar com algum obstáculo, como a coxa ou a virilha da moça
2 - Na hora da trombada, a túnica albugínea — membrana que envolve os corpos cavernosos — se rompe. Apesar do incômodo (as vítimas dizem que a dor não é tão grande), dá até para continuar a transa até o fim, mas o ideal é segurar a onda e tomar logo as primeiras providências (veja no quadro ao lado)
3 - Após a fratura, o sangue que estava represado nos corpos cavernosos vaza e se infiltra sob a pele, do púbis até o saco. Forma-se, então, uma hemorragia interna. Quando o pênis amolece, o vazamento dá uma trégua, mas o "documento" começa a ficar roxo devido ao acúmulo de sangue
O REMÉDIO
Aplicar gelo no local ajuda a estancar o sangramento interno e desinchar o dito-cujo. Em geral, a membrana cicatriza com abstinência sexual por, pelo menos, um mês. Quando o dano é maior, pode ser preciso abrir o amigão para drenar o excesso de sangue. Uma pancada muito forte pode encurvar o pênis para sempre ou comprometer o mecanismo de ereção. Mas essas seqüelas são muito raras