sábado, 7 de setembro de 2013

Astro pornô Rod Daily anuncia que tem o vírus da Aids

Associação da indústria pornô pede 'pausa' após casos de HIV nos EUA
Pedido foi feito após ator Rob Daily anunciar que está com o vírus.
Califórnia debate uso da camisinha na indústria da pornografia.

O ator pornô Rod Daily
(Foto: Reprodução/Twitter/Rod Daily)


No Twitter, ele diz se sentir 'abençoado' em razão do diagnóstico precoce.
Caso recente de atriz com HIV paralisou indústria do setor em Los Angeles.

O astro pornô Rod Daily anunciou nesta terça-feira (3) que tem o vírus da Aids. Em mensagem publicada em seu perfil oficial no Twitter, ele escreveu: "Eu tenho 32 anos de idade e sou HIV positivo. Infecção aguda por HIV, o que significa que fui infectado recentemente. Por causa disso, eu sou abençoado".

Em outras mensagens, ele explicou por que está otimista. "Me sinto abençoado pelo fato de ter feito a descoberta cedo a ponto de poder combater toda essa merda com remédios. Com os testes que fiz, os médicos descobriram que fui infectado durante o último mês."

Nas últimas dias semanas, Daily é o segundo nome conhecido dos filmes adultos a testar positivo para HIV. No final de agosto, a atriz Cameron Bay foi diagnosticada, o que levou a indústria pornográfica de Los Angeles a paralisar as atividades por tempo indeterminado.

A entidade Coalizão da Liberdade de Expressão, que reúne produtores de filmes pornográficos, disse em nota que seus integrantes decidiram paralisar as filmagens no dia 21 do mês passado e não retomá-las até que todos os parceiros de Bay fossem notificados e examinados.

Na época do anúncio, a expecativa era que o caso tivesse influência na polêmica acerca de uma recente lei do condado de Los Angeles que exige o uso de preservativos em todas as cenas de sexo explícito. Os produtores pornográficos que mantêm uma bilionária atividade no vale de San Fernando, parte de Los Angeles, são contra a lei.

Michael Weinstein, diretor da Fundação de Atendimento Médico da Aids, em Los Angeles, um partidário da lei, disse na época que Bay provavelmente contraiu o HIV durante uma filmagem. Segundo ele, aparentemente não houve uso de preservativos em um filme no qual Bay atuou entre os dois exames mais recentes. É que numa avaliação anterior, em julho, ela havia testado negativo.

A entidade setorial disse não haver "nenhum indício" de que Bay tenha sido contaminada num set de filmagem, ou que outros atores tenham sido expostos ao vírus durante cenas de sexo com ela. Bay disse que pretende cooperar com as atividades sanitárias para descobrir a origem da contaminação e a possível propagação do vírus para parceiros dela.

"Por mais difícil que seja a notícia para mim hoje, estou esperançosa de que nenhum outro artista tenha sido afetado", disse Bay em nota. "Planejo fazer tudo o que for possível para ajudar os profissionais médicos e meus colegas."


Uma associação que representa a indústria de cinema pornográfico nos Estados Unidos pediu nesta sexta-feira (6) uma nova parada na produção de filmes para adultos em todo o país, depois que um novo caso de HIV em um ator pornô foi detectado.

A associação Free Speech Coalition obrigou a uma suspensão na produção de cinema pornô durante uma semana no mês passado, depois que o ator Cameron Bay foi diagnosticado com o vírus HIV.

As análises com as parceiras de elenco (filme) de Bay deram negativo.

O novo pedido de moratória acontece depois que outro ator, vinculado sentimentalmente a Bay, Rod Daily, anunciou que também está infectado com o HIV.

As moratórias tentam fazer com que os atores voltem a se submeter a testes de doenças sexualmente transmissíveis antes de começar a realizar novas filmagens.

Em comunicado, a associação diz que, apesar de não haver provas de que a transmissão do HIV tenha acontecido durante uma filmagem, preferiu tomar esta medida de precaução para evitar novos contágios.

Estes últimos casos aumentam a pressão para que a indústria americana de filmes para adultos se submeta à obrigação generalizada de utilizar preservativos nas filmagens, algo que o condado de Los Angeles já faz.

A Califórnia, o estado de referência desta indústria nos Estados Unidos, está debatendo a possibilidade de obrigar o uso do preservativo em todo o estado para evitar problemas de saúde como os que ocorreram no último mês.

G1